Futebol e trabalho médico ilegal


Os clubes de futebol do Brasil, em especial os do Rio Grande do Sul, descobriram que vale a pena investir em jogadores dos países vizinhos. Normalmente eles têm custo menor e são de boa qualidade.
Os gestores de municípios da fronteira utilizam o mesmo recurso. Tiram proveito de um acordo firmado em 2004 para contratar médicos das nações do Mercosul, ao arrepio da legislação que estabelece regras muito claras a esse respeito.
Na relação com os dirigentes de Grêmio e Internacional, por exemplo, os administradores municipais – prefeitos e secretários de Saúde – são beneficiados: podem empregar médicos estrangeiros à vontade. Já aos clubes é imposto um limite de jogadores por partida.
Escrito por Fernando Weber Matos
Leia artigo completo no site do Conselho Federal de Medicina
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s