Em lugar de montar um consultório comum –uma sala de espera com números atrasados da revista “Vice” e uma recepcionista ranzinza e tatuada para marcar consultas–, Jay Parkinson convidava os pacientes a contatá-lo diretamente, por mensagem instantânea ou e-mail.

Leia artigo completos no site da Folha de São Paulo.