Segundo a ANS e a Lei nº 9.656 de 03.06.98 as OPS (Operadoras de Planos de Saúde) são assim classificadas:

  1. Administradora de benefícios,
  1. Cooperativa médica,
  1. Cooperativa odontológica,
  1. Medicina de grupo,
  1. Odontologia de grupo,
  1. Autogestão,
  1. Filantrópicas e,
    1. Seguradoras especializadas em saúde.

Vejamos as definições dessas calssificações segundo a ANS:

CLINICA MEDICA POPULARAdministradora de benefícios: pessoa jurídica que propõe a contratação de plano coletivo na condição de estipulante ou que presta serviços para pessoas jurídicas contratantes de planos privados de assistência à saúde coletivos, desenvolvendo atividades previstas em regulamentação específica.

Cooperativa médica – são sociedades sem fins lucrativos que operam planos de saúde, coordenadas por médicos e oferecem serviços médicos. Constituídas conforme o disposto na Lei n.º 5.764, de dezembro de 1971.

Cooperativa odontológica – são sociedades sem fins lucrativos, que oferecem serviços odontológicos e são coordenadas exclusivamente por dentistas. Constituídas conforme o disposto na Lei n.º 5.764, de dezembro de 1971, que operam exclusivamente planos odontológicos.

Medicina de grupo – Nesta modalidade de atenção à saúde suplementar, a gestão dos planos é feita por uma empresa privada, criada historicamente (mas não exclusivamente) por proprietários ou sócios de unidades hospitalares. Os serviços podem ser prestados por unidades próprias, em que os profissionais de saúde são empregados da empresa de medicina de grupo, ou através de unidades credenciados por esta. As operadoras de medicina de grupo têm como clientes indivíduos e empresas para os quais comercializam planos de saúde. A principal organização que as representa é Associação Brasileira de Medicina de Grupo (ABRAMGE).

Odontologia de grupo – operam exclusivamente planos odontológicos, excetuando-se aquelas classificadas na modalidade de cooperativa.

Autogestão – é uma pessoa jurídica de direito privado de fins não econômicos, constituída sob a forma de associação, que opera plano privado de assistência à saúde exclusivamente aos associados integrantes de determinada categoria profissional e aos seguintes beneficiários: a) empregados, ex-empregados, administradores e ex-administradores da própria entidade de autogestão; b) aposentados que tenham sido vinculados anteriormente à própria entidade de autogestão; c) pensionistas dos beneficiários descritos nas alíneas anteriores; e d) grupo familiar dos beneficiários descritos nas alíneas anteriores, limitado ao terceiro grau de parentesco, consangüíneo ou afim.

Instituições filantrópicas – são entidades sem fins lucrativos que operam planos privados de assistência à saúde e obtiveram certificado de entidade filantrópica junto ao Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) e declaração de utilidade pública federal junto ao Ministério da Justiça ou declaração de utilidade pública estadual ou municipal junto aos órgãos dos governos estaduais e municipais.

Seguradoras especializadas em saúde – são sociedades com fins lucrativos que comercializam seguros de saúde e que oferecem, obrigatoriamente, reembolso das despesas médico-hospitalares ou odontológicos. Os consumidores de seguros de saúde têm definido em contrato (denominado apólice) as condições e os limites de reembolso, cobertura, abrangência geográfica, entre outras.

Administradora de benefícios – é uma pessoa jurídica que propõe a contratação de plano coletivo na condição de estipulante ou que presta serviços para pessoas jurídicas contratantes de planos privados de assistência à saúde coletivos, desenvolvendo atividades previstas em regulamentação específica.