A redução de custos sempre foi, é e será uma preocupação constante de toda e qualquer empresa que almeja sobreviver e prosperar em qualquer tipo de mercado.

A contabilidade de custos sempre foi o centro das atenções das organizações econômicas vencedoras. Sem controles eficientes de custos nenhuma empresa sobrevive ou torna-se próspera.

Todavia, mesmo sendo uma atividade crucial para a lucratividade dos negócios, a redução efetiva e principalmente continuada dos custos tem sido amplamente negligenciada por alguns empresários brasileiros, que agem mais por impulsos de que por conhecimentos específicos, quando o assunto é gestão financeira.

Normalmente, a maioria das empresas só se preocupa com a redução dos custos, quando estes estão afetando a margem de lucro do negócio. Em suma: a implantação do programa de redução de custos é sempre implantada diante de crises financeiras. Por esse motivo, muitas vezes, essa implantação compulsória apresenta grandes riscos para o futuro da empresa.

O mais correto e justo é a preocupação premente da política de redução e controle de custos empresariais. Conhecida como forma política espontânea de controle de custos. Essa ação é efetivada antes de qualquer sinal de crise financeira e indica alto índice de inteligência da gestão do negócio.